A equalização numa mixagem

A equalização numa mixagem

A equalização é um fator crucial no resultado de uma produção.

Uma música com problemas de equalização, seja excesso de graves, exageros nos agudos, frequências mal trabalhadas… podem levar o produtor musical a ruína.

Então vamos lá, como fazer uma equalização correta?

Na verdade equalização correta, não é o termo correto, pois você pode equalizar do jeito que bem entender. Pode exagerar nos médio agudos propositadamente ou tirar todo o grave e deixar o som totalmente sem peso. Vai de você, do seu propósito, etc… Equalizaçõesfora da realidade racional, feitas propositadamente podem funcionar artisticamente falando.

equalização numa mixagem 300x225 A equalização numa mixagem

Equalização

Racionalmente temos que partir do princípio que o ouvido humano consegue perceber as frequências que vão de 20Hz a 20Khz, que são divididas da seguinte maneira:

Subgrave – 20 a 60hz
Grave – 60 a 250hz
Médio Grave – 250 a 2000hz
Médias Agudo – 2000 a 6000hz
Agudo – 6000 a 20000hz

É interessante conhecer, estudar e testar estas frequências em seu equalizador para entender sonoramente o que cada uma destas bandas significam para o ouvido humano. Sugiro à nivel de brincadeira, que deixe uma música rolando e fique testando. Exagere os controles do equalizador para cima e para baixo e sinta o que está acontecendo com a música.

Entenda um pouco mais sobre cada uma dessas frequências, teste e trabalhe seu ouvido dia a dia, o máximo que puder:

Subgrave – Típica frequência que a gente mais sente do que ouve. Normalmente (Mas não sempre)  essa região é cortada nos equalizadores, pois geralmente se trata de puro ruído (sopro, vento, ar condicionado, ruído do pedestal de microfone, etc…). Muitos equalizadores já vão com filtro de cortes nessa região.

Grave – Os graves são imprecindíveis para trazer peso e calor a música, mas tome cuidado, pois se sua monitoração não for extremamente eficaz, você pode exagerar ou reprimir o uso dos graves, prejudicando seriamente sua produção final. Os intrumentos mais importantes que atuam nesta frequência são o bumbo e o baixo.  Se você estiver mixando com os monitores em volume muito baixo, tome cuidado, pois o ouvido humano não percebe bem os graves nestas condições.

Médio Grave - Boa parte dos instrumentos atuam nesta frequência, e se não trabalharmos muito bem esta região, podemos transformar o produto final num bololô… Se trata de uma boa região para se atenuar numa mixagem, mas cuidado para não exagerar, pois a produção pode ficar sem peso se esta região for totalmente decapitada. Alguns instrumentos podem até soar mais encorpados se dermos certo ganho, a caixa da bateria, por exemplo, fica muita mais encorpada, se aumentarmos sua frequência em 250hz.

Médio Agudo – Região da presença e brilho numa mixagem, principalmente entre os 4 e 6Khz. É a típica região que não se deve atenuar por demais, a não ser em casos especiais. Se você quiser ressaltar determinado instrumento no meio da massa pode dar um ganho na região entre 2 a 4Khz.

Agudo – Esta é uma região bem delicada, principalmente se seus monitores não forem eficientes. Cuidado ao mixar baixo demais, esta frequência pode enganar nestas condições. Ao mixar procure não exagerar na altura da monitoração. Procure um meio termo entre o alto e o baixo e de vez em quando ouça alto e baixo só a nível de teste. Os instrumentos mais percebidos nesta frequência são os pratos da bateria, o s da voz e harmônicos de determinados instrumentos.?

Trabalhar bem a equalização de sua produção pode modificar toda a sua vida. Pode trazer paz a seu interior ou provocar os mais nefastos pesadelos em dias chuvosos e nublados.

Trate este tema com carinho e muito cuidado ao fazer qualquer tipo de alteração no seu projeto.

Voltar ao início do Produzindo Música.

Confira também:

O que é uma Masterização?

[lomadeewpro category='' keywords='shure']